Saúde

Fazendo o pré-natal

Muito importante para monitorar a saúde do bebê

Da mesma maneira que a mulher cuida da sua saúde durante a gestação alimentando-se de forma saudável, evitando tabaco e bebidas alcoólicas, ela não deve deixar de fazer o pré-natal. Esse período é muito importante, pois é através desse acompanhamento médico que o obstetra vai monitorar a saúde do bebê junto com a futura mamãe.

O ideal é visitar o obstetra uma vez por mês para que todos os exames sejam realizados dentro do prazo adequado. Esse acompanhamento vai ajudá-la a ter uma gestação saudável e um parto seguro, além de prevenir futuras complicações. Durante o pré-natal, o médico mede a pressão, verifica o peso, mede a barriga e escuta o coração do bebê. Esses são os procedimentos básicos repetidos todas as consultas. Também são recomendados exames de laboratório, que vão revelar a saúde da gestante e do bebê.

Na primeira consulta do pré-natal o médico costuma pedir exames que enfocam o estado de saúde da mãe: hemograma completo (para descobrir diabetes gestacional, sífilis, HIV, anemia e classificar o tipo sanguíneo), exame de urina (para descobrir infecções e presença de proteína na urina), exame de fezes e a primeira ultra-sonografia para saber a idade do feto.

Uma mulher soropositiva pode começar o tratamento durante a gravidez, evitando que o vírus passe para o bebê durante a gestação e o parto. Alguns obstetras ainda fazem o preventivo de câncer de colo do útero (Papanicolau). Esse exame informa sobre a existência de problemas que podem levar ao câncer, permitindo o tratamento imediato.

Exames necessários Entre a 11ª e 13ª semanas é feita a Translucência Nucal. A ultra-sonografia transvaginal mede a membrana da nuca do feto e avalia se existem alterações genéticas na criança. Com esse exame é possível detectar a Síndrome de Down.

A partir da 22ª semana o médico pede um estudo morfológico do feto. Esse exame é feito através de uma ultra-sonografia que é capaz de investigar os órgãos (coração, rim, etc), cabeça e membros do bebê e informar se há alguma má formação genética.

A partir da 26ª semana é indicada a Dopplerfluxometria Obstétrica. Também é uma ultra-sonografia que faz a avaliação do fluxo sanguíneo do bebê, da placenta, do útero e do cordão umbilical. Nesse período é comum a gestante fazer um segundo exame de sangue e de urina.

Da 36ª semana em diante o obstetra faz o perfil biofísico fetal para saber o volume de líquido amniótico na placenta, os movimentos respiratórios e os movimentos corporais do bebê. Isso é possível através de uma ultra-sonografia somada a uma cardiotocografia (estudo, com o uso de um monitor, da freqüência cardíaca do feto e das contrações uterinas durante o parto).

A amniocentese é um exame polêmico. Alguns médicos e pacientes descartam o exame quando a Translucência Nucal não acusa nenhuma má formação no feto.O exame é dolorido e pode induzir ao aborto. Porém, em alguns casos, ele é o único que pode informar a morfologia correta do feto. Em caso de dúvida, é aconselhável fazer.

Outros cuidados

O pré-natal também inclui uma série de orientações nutricionais e psicológicas que ajudam a mulher a enfrentar a gestação com tranqüilidade. Visitando o obstetra periodicamente é possível corrigir deficiências nutricionais e aprender a manter o peso sob controle. Durante o pré-natal, tire todas as dúvidas por mais simples que sejam. O médico não vai se importar em respondê-las. Muitas mulheres ficam em dúvida sobre os sintomas do parto, como estimular a produção de leite, que tipo de esporte praticar e que cuidados ter assim que o bebê nascer.

Evite cigarro e bebidas alcoólicas 
O cigarro priva o bebê de oxigênio e as mulheres que fumam são propensas a terem bebês prematuros ou de baixo peso. A fumante também tem maior possibilidade de abortar. Em geral é melhor não beber nada, pois o excesso de álcool afeta a formação neurológica do bebê.

 

Como amenizar alguns probleminhas e sintomas
No final da gravidez, com o aumento do tamanho do bebê, algumas mulheres se queixam de falta de ar e vontade de urinar freqüente. Esses fatores podem acontecer, mas não é possível generalizar. Há grávidas que não sentem nada durante a gestação inteira. Caso algum sintoma cause incômodo, converse com seu médico. Prisão de ventre e enjôos são algumas queixas. Para se prevenir contra a prisão de ventre, beba muito líquido e coma muita fibra, presente em frutas, verduras e cereais integrais.

O enjoo acontece, geralmente, nos três primeiros meses de gravidez, mas não é regra. Algumas mulheres passam a gravidez inteira sem enjoar nenhuma vez. Outras, não podem chegar perto de comida, produtos de limpeza etc. Na dúvida, evite ingerir alimentos gordurosos e manusear produtos com aroma forte.

Dores nas costas e inchaço nos pés são comuns, principalmente no fim da gestação. Ande sempre com a postura correta e não sente de maneira curvada. Procure se deitar, relaxar e quando possível faça uma seção de massagem. Nos pés, água morna e uma boa massagem também ajudam a diminuir o inchaço. Pegue uma bacia com água morna, coloque algumas bolas de gude e deslize os pés sobre elas.