///

Acontece

Últimos acontecimentos mundiais comentados e contextualizados.

Alerta ambiental

04/08/2020
Descarte inadequado de EPIs está trazendo danos ao meio ambiente.

A pandemia de covid-19 trouxe inúmeras mudanças no ambiente social e no comportamento humano. O “novo normal”, que inclui distanciamento mínimo, maior preocupação com a higiene e cuidado com o outro, já se estabeleceu como regra entre os países afetados. Além disso, as famosas máscaras (de várias cores, modelos e estampas) entraram de vez na rotina da população mundial. Sair de casa sem ela é como se a pessoa “estivesse sem roupa”.

Contudo, o que contribui para evitar a contaminação pelo Sars-CoV-2 também está sendo motivo de preocupação para os defensores ambientais, pois, ao mesmo tempo em que essas mudanças ajudam a reduzir o índice de propagação do vírus, ações inadequadas - relacionadas aos “acessórios” de proteção - já estão causando danos ao meio ambiente.

Descarte incorreto

O fato é que o uso de máscaras, luvas e sacolas plásticas, principalmente as descartáveis, se intensificou durante esse período, bem como o descarte de forma incorreta desse material.

Os equipamentos de proteção individual (EPIs) estão sendo jogados de forma indiscriminada nas ruas, praias, parques e áreas ambientais, dando sinais de um problema grave que tende a se agravar.

Sabemos que o plástico é um dos inimigos do meio ambiente; no solo, demora centenas de anos para se decompor, e, nos oceanos, esse material é confundido com alimentos e ingeridos pelos animais marinhos. Com o passar do tempo, máscaras e luvas descartados no mar se transformam em microplásticos (pedacinhos de plástico de até cinco milímetros). Esses materiais acabam absorvendo produtos tóxicos como pesticidas e entram para a cadeia alimentar, vindo parar em nossos pratos.

Outra problemática é que, uma vez no organismo animal, principalmente em peixes pequenos, o microplástico prejudica seu sistema digestivo e pode provocar sua morte. Sem peixe pequeno não há alimento para os maiores; sem alimento, mortandade e uma grande onda de escassez.

O problema vai além da proteção

O descarte incorreto de máscaras e luvas é sem dúvida um agravante, mas esses materiais não são os únicos a representar uma ameaça ao meio ambiente. O consumo de sacolas, copos e talheres de plástico, bem como de embalagens descartáveis aumentou muito nesse período de pandemia.

A maioria dos fornecedores justificam que o uso desse material é mais higiênico, o que garantiria a proteção da saúde de forma geral. Também alegam que o descarte imediato deles - como aquela embalagem que guarda uma encomenda - protege o consumidor de infecções. Este fato não está cientificamente provado, mas, de toda forma, as pessoas preferem não arriscar.

Com medo da contaminação, grande parte da população opta por produtos descartáveis e, infelizmente , após o uso, acaba se desfazendo dos resíduos de forma não apropriada.

Gravidade representada em números

A situação é tão grave, que uma organização de proteção ambiental denominada “OceansAsia”, recolheu cerca de 70 máscaras descartadas num trajeto de 100 metros, na orla das ilhas Soko, em Hong Kong.

No Reino Unido, um estudo mostrou que se toda população utilizasse uma nova máscara descartável a cada dia (as do tipo polipropileno), o país teria, ao final de um ano, aproximadamente 66 mil toneladas de resíduos plásticos descartados, bem como 57 mil toneladas e embalagens. Difícil, não?

Retrocesso global

O descarte de plástico em grande quantidade representa um retrocesso para o meio ambiente, já que muitos governos e organizações mundiais trabalharam durante anos para abolir o uso desse material.

Na tentativa de conscientizar a população sobre os malefícios que esses produtos representam, a Agência de Proteção Ambiental Americana lançou uma campanha no Youtube, explicando sobre como descartar corretamente os EPIs. Em medidas mais extremas, outros órgãos locais nos EUA instituíram multa para quem fosse pego jogando esses materiais em lugares inapropriados, bem como passou a considerar a ação como crime.

No Brasil, de acordo com a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, esses itens não podem ser descartados junto de dejetos comuns, nem nas ruas, sendo o mais indicado o descarte em lixo localizado no banheiro. Essas medidas representam uma importante proteção sanitária contra a transmissão da covid-19 e uma forma de proteção ao meio ambiente.

Faça sua parte!

As máscaras descartáveis (plástico e tnt) sem dúvida são necessárias e importantes, além de ser bem práticas. Porém, é possível optar pelas de tecido, cuja reutilização é viável após a lavagem, o que acaba sendo muito melhor para o bolso e para o meio ambiente. As luvas, quando necessárias, também devem ser descartadas de forma correta, em lixo próprio e separado.

Talheres, copos, sacolas e outros tipos de plásticos devem ser evitados ao máximo, pois o descarte inadequado e até a incineração desse material afeta não só o meio ambiente, mas também a saúde humana. O ideal é fazer uso de produtos reutilizáveis, bolsas ecológicas, canecas e outros materiais que ajudam a manter a integridade do meio ambiente.