Papo Sério

Os inimigos ocultos

Quem é que nunca ouviu falar das DSTs?
Quem é que nunca ouviu falar das DSTs? Essa é uma sigla para designar todas aquelas doenças que podem ser transmitidas pelo sexo. Essas doenças existem há milhares de ano e acompanham a própria história da humanidade. Há relatos de DSTs em livros muito antigos.
 

Mas, afinal de contas, quem é que causa essas doenças e que armas nós temos, hoje em dia, para tentar evitá-las e combatê-las? Quem causa as DSTs são agentes microscópicos que vivem por aí, habitando nosso meio ambiente e “morando” também em outras pessoas. São vírus, bactérias, fungos e protozoários.

Ao invés de ficar aqui explicando, um por um, o que fazem esses agentes, vamos dar uma ideia geral de como podemos pensar em nos proteger deles. Como evitar uma DST? A primeira coisa que deve vir a sua cabeça é o uso regular da camisinha. E você está certo! O látex (borracha) da camisinha masculina e o poliuretano (plástico) da camisinha feminina barram a passagem dos agentes causadores das DSTs. Com isso, o uso regular de uma camisinha diminui muito o risco de transmissão de uma dessas doenças.

Há outros jeitos? Sim! Muitos especialistas defendem que as pessoas escolham melhor quando e com quem vão ter um contato sexual. Com isso, elas também reduziriam a sua exposição aos riscos de contrair um DST. Só um lembrete: mesmo escolhendo melhor, não vá esquecer da camisinha. A gente não tem garantia de que as pessoas estão livres de uma DST até que façam exames e que sejam examinadas por um médico.

Passar em uma consulta com um médico é outra boa dica para ficar livre de uma DST. Ele pode pedir exames e avaliar sua saúde. Toda garota que tem vida sexual ativa, por exemplo, deve passar em um ginecologista, pelo menos, uma vez por ano. O médico faz o exame de Papanicolaou, que procura lesões na vagina e no colo do útero que, se não forem tratadas, podem levar a um tipo de câncer. Adivinhe quem é o causador dessas lesões: um vírus chamado HPV (Papilomavírus humano), que hoje talvez seja o responsável pela DST mais comum em nosso meio. O HPV é o vírus que causa verrugas (crista de galo, condiloma acuminado) na região genital e que, também, pode levar a essas lesões no colo de útero.

O médico também pode avaliar rapidamente se existe algum outro tipo de DST e, assim, evitar que uma pessoa contaminada transmita essa doença para seu parceiro ou parceira sexual. Recado: qualquer verruga, ferimento ou sintoma diferente na região de pênis, saco escrotal, vagina ou ânus precisa ser avaliado pelo médico. Certo?

Outro jeito de evitar as DSTs são as vacinas. Hoje a gente tem vacinas contra pelo menos três tipos de doenças que podem ser adquiridas pelo contato sexual: hepatite A, hepatite B, HPV. Quem ainda não tomou essas vacinas, deve procurar o médico e pedir que ele as prescreva. Os cientistas desenvolveram vacinas experimentais (que estão em fase de teste) para Aids (causada pelo vírus HIV) e para o vírus causador do herpes. Até agora falamos de como prevenir e evitar uma DST. Agora vamos falar rapidamente de como tratar essas doenças. A maior parte das DSTs tem um tratamento conhecido. As causadas por bactérias, como sífilis e gonorreia, exigem o uso de um antibiótico por alguns dias. Outras causadas por fungos, também têm um tratamento específico, com antimicóticos. Para terminar, alguns protozoários que causam infecção também são tratados com remédios especiais.
 

Os tratamentos mais difíceis são para as doenças causadas por vírus. Para a Aids, hoje, temos uma série de remédios antivirais desenvolvidos na última década. O mesmo vale para as hepatites causadas por vírus. Para herpes e HPV temos uma variedade de possíveis tratamentos (pomadas, cauterizações, cirurgias, etc).

O mais importante é que as pessoas que não têm uma DST, façam o possível para evitar uma contaminação. E quem, eventualmente se expôs a risco ou se contaminou, deve procurar um médico para fazer o tratamento. Quem se trata, pode acabar com sua doença e diminuir a chance de transmissão para outras pessoas. É isso!